quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Teoria do treino definido pela estrutura muscular


Hoje vou mais incomodar do que resolver.



Perguntar sempre incomoda para quem tem preguiça de pensar ou quem pensa que tudo sabe, mas eu vou fazer algumas perguntas para voces de duvidas que eu tenho para dividirmos o mesmo conhecimento a partir do que será gerado em buscas destas respostas, combinado?



Sendo assim...



Seu tríceps é igual seu bíceps? seu quadríceps é igual a sua musculatura posterior da coxa? como é seu abdomen em relação aos outros musculos que voce possui? há mais algum musculo com multiplos ventres? sua musculatura de tronco é semelhante a sua musculatura de membros?



Vou facilitar dessa vez porque a questao hoje é mais biomecânica: olhe a forma pessoal... olhem a forma. Por favor, olhem a forma.

Sempre que vou falar a alguem ou algumas pessoas sobre fisiologia eu sempre sempre sempre ressalto que as alteraçoes de forma vem devido a algum tipo de alteraçao de função. Basta pensar no que vem primeiro: o treino ou a musculatura desenvolvida? A musculatura se desenvolve a partir do treinamento, correto? Portanto, tambem quando olhamos para um fisico a ser preparado talvez seja interessante olhar para o forma daquilo que se quer preparar em ordem de se ter uma idéia da razão pela qual aquilo foi construido daquela forma, mais explicitamente: a que funçao aquela forma é correlata!



Agrupando...



Olhe seu tríceps e veja as semelhanças com o quadriceps:

1. sao musculaturas extensoras

2. sao compostas de uma série de musculos anatomicos e mais alguns fisiologicos (no caso do quadriceps por exemplo sao 4 anatomicos e 7 fisiológicos!)

3. sao derivadas de estruturas "penadas", ou seja, onde a disposicao das fibras musculares está em 45o aproximadamente em relacao ao eixo de movimento.



olhe seu bíceps braquial e compare com seu bíceps femoral:

1. sao musculaturas flexoras

2. sao compostas por um ou dois ventres no máximo

3. sao fibras longas e longilíneas alinhadas ao eixo de movimento.



Agora vamos comparar funçoes:



1. triceps braquial e quadriceps

- ambos sao extremamente fortes, necessidade básica de uma estrutura que supostamente precisa estar apta para se defender de eventos diversos desde afastar um objeto ou mesmo num caso de queda iminente, num arco reflexo veloz, seja capaz de sustentar o peso do corpo seja para evitar a queda, seja para, no caso da queda, desacelerar o corpo em forma de proteçao.

No caso de um ataque por exemplo o natural é repelir o agressor, e lá está a musculatura extensora trabalhando...

Por tal demanda, há que se desenvolver e se agrupar um numero maior de musculos em ordem de "fortalecer" ou potencialiar aquele movimento necessario, daí o agrupamento de diversos musculos compondo partes específicas do movimento de forma ao arco de movimento ter uma distribuiçao homogênea de potencia e força.

Daí vemos a estrutura penada do musculo ter lugar: com um arranjo de 45o em relacao ao eixo de movimento conseguimos um numero maior de fibras atuante naquele mesmo seguimento. Ainda que com um comprimento e uma capacidade de encurtamento individual reduzido este problema é resolvido pela possibilidade de sempre poder se adicionar mais fibras ao ventre muscular...



2. biceps braquial e biceps femoral

Hmmmm... daí vem a historia...

Sao musculaturas de funcao desaceleradora, por causa disso está numa estrutura longilínea que oferece resistencia em qualquer amplitude de movimento, distribuindo a força sofrida nas unidades contráteis no seu comprimento. Fibras alinhadas com o eixo de movimento nessa situaçao é uma vantagem biomecanica...



Sendo assim, é facil raciocinar que triceps e quadriceps foram feitos para serem fortes (no sentido exato) enquanto biceps braquial e femoral foram feitos para serem resistentes, ou pelo menos para um funçao um pouco diferente...



Quem já nao sentiu aquele treino de coxa anterior que se colocou força, força e mais força e a fadiga foi intensa mas passou em algusn minutos e comparou com aquele treino de alta resistencia anaeróbica que deu vontade de vomitar e ficou latejando o quadriceps por uma semana??



Ou ainda aplicou aquele metodo de treino bizarro de triceps para o seu biceps e ficou sentindo como se o seu braço estivesse pendurado no corpo o resto da semana??



pois é...



o desafio é esse: se sao musculos de formas e construcoes diferentes certamente é porque sao para propositos diferentes, portanto nao é absurdo se pensar que cada grupo muscular demanda uma metodologia de treinamento diferente em ordem trabalhar a deficiencia existente em ordem de estimular o desenvolvimento sem se perder proporçoes...



Fique atento com seu corpo e utilize-o de laboratorio de experiencias com seus treinos, mas de uma forma consciente... defina um padrao e de um tempo razoavel para observar mudanças: 8, 12 semanas. Lembre-se de ter padroes mensuraveis e objetivos de comparacao em ordem de poder se reavaliar sem se enganar. se acertou, estude para descobrir o que. se errou, mude o paradigma, mas nao desista! e Principalmente, principalmente: lembre-se de que quem treina, treina buscando melhorar suas deficiencias. o que menos desenvolvemos é o que mais precisa ser treinado - num sentido amplo! Forma, proporcionalidade, aptidoes... tudo isso muda e as deficiencias, ainda que nao sejam claras, tem de ser buscadas para poderem ser trabalhadas.

fisico bom, do ponto de vista funcional ou do ponto de vista visual, se constroi com método.



Portanto, lembre-se de estimular suas musculaturas tambem para uma funçao que elas nao sao feitas para, em ordem de provocar uma melhora nas suas deficiencias determinadas pelas suas distribuiçoes estruturais. o quanto trabalhar dessa forma? daí vai do nivel de deficiencia do atleta e tambem do olho clínico do treinador...



tentativa e erro vai lhe tomar a unica coisa que voce tem de precioso na vida, pois nao pode ser comprado: tempo.



abraço forte e continue ligado!

com muita performance e muita saúde....



Muzy!




Nenhum comentário:

Postar um comentário